asasdh

a

Gestão de Tarefas e Resultados

 

Engana-se quem pensa que o trabalho remoto é mais simples.

Pesquisas apontam que, para o trabalho remoto é preciso o dobro de organização e disciplina.

Como no Brasil, ainda não tínhamos grandes quantidades de profissionais trabalhando remotamente e com o isolamento este tipo de trabalho aumentou 70%, talvez podemos nos perder na gestão de tarefas e principalmente na gestão de resultados.

Vamos compartilhar aqui, alguns métodos e ferramentas simples e conhecidas, mas que talvez você tenha deixado de lado.

Podemos aplicá-las remotamente e vão ajudar na sua administração geral e de sua equipe, principalmente na organização de tarefas e gestão de resultados.

Brainstorm:

Técnica para análise de problemas

Perguntas para responder, uma a uma, cada uma no seu tempo:

  • Qual o problema?
  • Quais são as causas do problema?
  • Quais as possíveis soluções?
  • Qual a melhor solução?

O mecanismo do pensamento:

1 – Pensamento Luz Verde: Julgamento adiado (não julgue as ideias, todas serão bem vindas), Brainstorming (enfoca a quantidade e fluência de ideias).

2 – Pensamento Luz Vermelha: Segue a Luz Verde, crítico, enfoca a quantidade visando resultado

Chapel Hill (EUA) – Toda vez que surge durante o trabalho a necessidade de pensar no futuro da empresa ou de abrir novas frentes de negócio, sempre aparece alguém para sugerir um brainstorming, aquela reunião de trabalho em que as ideias devem fluir livremente e sem compromisso para que a inovação possa emergir.

Hoje, aprimorado, o brainstorming ganhou uma “dose de racionalidade”, segundo o professor Ralph Keeney, da Universidade Duke, nos Estados Unidos, que propõe um processo mais eficiente. Antes da reunião, todo mundo deve se preparar.

Dar aos participantes apenas uma visão geral sobre o tópico não funciona. O professor acredita que os objetivos da resolução do problema devem ser explicitados antes que se pense em alguma alternativa viável. “É preciso ter clareza sobre o que será discutido”, diz Ralph.

Em segundo lugar, é preciso evitar conclusões precipitadas. “Os participantes podem ancorar seu pensamento em ideias que estão sendo apresentadas e desconsiderar alternativas importantes”, diz Ralph.

Confira algumas técnicas de brainstorming e orientações sobre o tema.

1 Comece com o problema 

Toda reunião deve começar com a definição clara do problema. Ela determina o propósito do brainstorming. Ao longo do encontro, as pessoas devem se ater a esse assunto sem perder o foco.

2 Quem e para quê

Antes de começar, tenha certeza de que o grupo tem conhecimento profundo das necessidades dos interessados em encontrar uma solução. Essa é uma das mudanças do novo modelo: saber exatamente quais são os objetivos.

Isso pode ser feito por meio de pesquisa primária, como a experiência da consultoria americana Jump, com sede em San Mateo, na Califórnia, que desloca o funcionário para passar um tempo com a pessoa ou a empresa que enfrenta o problema.

3 Ambiente favorável

Garanta que as pessoas se sintam confortáveis no local em que o brainstorming será realizado. Considere, até, conduzir o processo fora do contexto do ambiente de trabalho — isso pode levar as pessoas a pensar de maneira diferente.

4 Inspire-se

Minutos antes do início, é importante orientar os participantes a “alimentar a mente”. Revisar tudo o que se sabe sobre o problema ou ler um estudo de caso sobre a solução. O intuito é inspirar.

5 Ideias nascem na mente

Grupos não têm mente. Portanto, antes de iniciar, é interessante que cada participante desenvolva suas próprias propostas para o problema — e que sejam anotadas e registradas. Pode-se, por exemplo, instigar os participantes a pensar sobre alternativas para cada objetivo do brainstorming, pedindo que eles indiquem qual é a melhor delas.

6 Discussão coletiva

Para evitar que uma ou duas pessoas dominem a conversa, deixando ideias de lado, a recomendação é que sejam usadas todas as anotações dos participantes envolvidos, feitas na etapa anterior. “Isso garante que ninguém fique sem voz”, diz o professor Ralph Keeney.

Outra ideia é que o moderador do brainstorming nunca deixe uma pessoa apresentar todas as suas alternativas de uma vez. Ele deve circular perguntando se há alguma sugestão que não foi discutida, para que todos participem.

7 Abra a torneira de ideias

Quantidade produz qualidade. É preciso acumular o máximo de ideias para que se possa descartar as ruins e medianas e ficar com as boas.

8 Ideias selvagens

Não faça julgamentos (principalmente precipitados) sobre as ideias que forem apresentadas pelo grupo. O julgamento tende a interromper o fluxo da criação. Isso deve, aliás, ser recomendado no início do processo.

Sem vergonha nem censura

A técnica deve permitir a fluência total de ideias, com bom humor, nada de críticas ou julgamentos sarcásticos sobre a sugestão do vizinho. Não pode haver censura: alguém estimula a todos e anota as pérolas (e as abobrinhas também).

Administre conflitos

Nem todo conflito é construtivo. Nos primeiros estágios de geração de ideias, o conflito é prejudicial, principalmente quando faz a ideia ser rejeitada antes de ser desenvolvida o suficiente para ser bem avaliada. Os participantes devem conter seu julgamento e evitar críticas.

Em causa própria

Para tomar uma decisão pessoal, você pode fazer um brainstorming sozinho. Por exemplo, para quem deseja uma promoção, a pergunta a se fazer é: de que maneira posso ser promovido? As soluções podem ser as mais diversas, desde fazer pós-graduação até algo mais radical, como tentar uma vaga em outro lugar. O importante é não se policiar. Quanto mais ideias, mais chances de encontrar uma boa resposta.

Análise swot

O que é:

A famosa matriz SWOT, também dita análise, foi desenvolvida na década de 1960, na Universidade de Stanford, e, rapidamente, se transformou num exercício/método utilizado por todas as principais empresas do mundo na formulação de suas estratégias.

Significado:

O nome SWOT é uma sigla que significa strenghts (forças), weaknesses (fraquezas), opportunities (oportunidades) e threats(ameaças). Por essa razão, o exercício também é conhecimento como análise/matriz FOFA, em português.

Quando usar:

Essas áreas são separadas entre análise interna (forças e fraquezas) e análise externa (oportunidades e ameaças). Além disso, também existe a visão dos elementos que ajudam (forças e oportunidades) e aqueles que atrapalham (ameaças e fraquezas). Assim, a análise SWOT ou FOFA se torna um exercício completo de análise de ambiente, que deve ser aplicada em qualquer processo de planejamento estratégico.

Como fazer:

O exercício de criar a sua matriz SWOT consiste em levantar o maior número possível de itens para cada área. Portanto, vamos analisar ponto a ponto.

I.) Forças:

As forças são elementos internos que trazem benefícios para o seu negócio. Outra maneira de pensar sobre isso é imaginar os elementos que estão sob o seu controle, ou seja, você consegue decidir se mantém ou não a situação. Alguns exemplos podem ser:

1) A união da sua equipe;

2) Certa quantidade de ativos (imóveis, equipamento moderno etc.);

3) Localização privilegiada;

4) Relacionamentos estratégicos;

5) Modelo de cobrança.

São praticamente infinitas as forças que podem ser listadas em um negócio ou uma estratégia que você quer implantar, mas é importante focar no que realmente faz diferença e, também, elementos sobre os quais se pode trabalhar. Faz-se uma análise SWOT não apenas para refletir, mas para criar um plano de ação. Vamos aprofundar o exemplo acima.

1) A união da sua equipe → Montar um sistema de remuneração integrado;

2) Certa quantidade de ativos (imóveis, equipamento moderno etc.) → Capitalização barata;

3) Localização privilegiada → Focar em estratégias de marketing no local.

4) Relacionamentos estratégicos → Segmentar projetos para esse público ao qual temos acesso;

5) Modelo de cobrança → Preços mais competitivos ou economia no estoque.

II) Fraquezas:

As fraquezas são elementos internos que atrapalham o negócio. De modo complementar às forças, são aquelas características sob seu controle, mas que não ajudam na realização da missão. Alguns exemplos são:

1) Produto altamente perecível;

2) Matéria-prima escassa;

3) Equipe pouco qualificada;

4) Tecnologia ultrapassada;

5) Processo de entrega.

Novamente, o interessante é buscar ações para mitigar essas fraquezas. Logicamente, é importante sair do lugar comum como “falta de dinheiro → conseguir mais dinheiro”. Isso sido dito, vamos aos exemplos:

1) Produto altamente perecível → Fazer uma precificação amigável à troca e retorno ao ponto de venda;

2) Matéria-prima escassa → Mudar de matéria-prima ou assumir um posicionamento de luxo;

3) Equipe pouco qualificada → Desenvolver produtos mais simples ou mudar o processo para aproveitá-los;

4) Tecnologia ultrapassada → Vender a estrutura para outras empresas;

5) Processo de entrega lento → Deixar o cliente retirar ele mesmo o produto, com megadesconto.

III) Oportunidades:

As oportunidades são as situações externas à empresa que podem acontecer e afetar positivamente o negócio. Esses fenômenos normalmente estão fora do controle da empresa, mas existe uma chance de eles acontecerem. Alguns exemplos são:

1) Vai sair uma nova lei;

2) Pode surgir um novo curso;

3) Minha concorrente precisa de ajuda;

4) Ter acesso à uma nova tecnologia;

5) Algum produto complementar ao meu será lançado.

As oportunidades são muito parecidas com sonhos do tipo “se isso acontecer, vai ser muito bom”. Embora estejam fora do controle da empresa, deve haver uma preparação mínima para o caso de elas ocorrerem. Vamos avançar com os exemplos:

1) Vai sair uma nova lei → Desenvolver um produto específico para atendê-la;

2) Pode surgir um novo curso → Planejar para os funcionários terem acesso a ele;

3) Minha concorrente precisa de ajuda → Podemos fazer uma fusão ou aquisição;

4) Ter acesso à uma nova tecnologia → Planejar uma nova linha de produtos;

5) Algum produto complementar ao meu será lançado → Buscar parceria de marketing.

IV) Ameaças:

Por fim, as ameaças são situações externas à empresa que podem atrapalhar o negócio. Assim como as oportunidades, estão fora do controle da empresa, mas sabe-se que existe uma chance de acontecerem. Alguns exemplos, são:

1) Entrada de um concorrente internacional no mercado;

2) Pirataria dos seus produtos;

3) Mudança na legislação do seu setor;

4) Escassez de mão de obra;

5) Catástrofes naturais/guerras.

As ameaças podem ser traduzidas pelos medos que existem por parte da gestão da empresa. Igualmente às oportunidades, deve-se pensar, mesmo que por alto, maneiras de mitigá-las. Vamos lá:

1) Entrada de um concorrente internacional no mercado → Fazer contrato de longo prazo com fornecedores;

2) Pirataria dos seus produtos → Estratégias para usar o marketing gratuito gerado;

3) Mudança na legislação do seu setor → Desenvolver um produto específico para atendê-la;

4) Escassez de mão de obra → Desenvolver um curso de capacitação próprio.

5) Catástrofes naturais/guerras → Ter planos alternativos e buscar novos mercados.

A criação da matriz/análise SWOT (FOFA) é etapa essencial para qualquer planejamento estratégico de sucesso.

Administração de tempo

É muito simples e eficaz fazer sempre um cronograma (check list) das atividades do dia seguinte, separadas por horário de cada atividade. Desde a hora que acorda até a hora de ir dormir.

Use a técnica Pomodoro para seguir seu check List.

A técnica Pomodoro é um método de gerenciamento de tempo desenvolvido por Francesco Cirillo no final dos anos 1980. A técnica consiste na utilização de um cronômetro para dividir o trabalho em períodos de 25 minutos, separados por breves intervalos. A técnica deriva seu nome da palavra italiana pomodoro (tomate), como referência ao popular cronômetro gastronômico na forma dessa fruta. O método é baseado na ideia de que pausas frequentes podem aumentar a agilidade mental...

Passo a passo

Escolher e listar as tarefas a serem executadas;

  • Ajustar o cronômetro para o tempo desejado (geralmente 25 minutos);
  • Escolher a tarefa inicial;
  • Trabalhar na tarefa escolhida até que o alarme toque. Se alguma distração importante surgir, anotá-la e voltar o foco imediatamente para a tarefa;
  • Quando o alarme tocar, marcar um x na lista de tarefas;
  • Se houver menos de quatro marcações, fazer uma pausa curta (3 a 5 minutos);
  • Se houver quatro pomodoros marcados, fazer uma pausa mais longa (15 a 30 minutos), zerando a contagem de marcações e retornando ao passo 1.

As etapas de planejamento, controle de tempo, gravação de registros e visualização são fundamentais para a técnica.

Na fase de planejamento de tarefas, são priorizados os itens que devem ser feitos no dia. Isso permite que os usuários possam estimar as tarefas que exigem maior esforço. Como cada pomodoro refere-se a um período indivisível de 25 minutos, que deve ser registrado na lista, é possível fazer uma auto-observação de como o tempo é gasto.

Um objetivo essencial da técnica é reduzir o tempo das interrupções, adiando outras atividades que interrompam o pomodoro.

Leiam juntos

Leiam os mesmos livros juntos, cada um na sua disponibilidade e escolham um capítulo para discutir 15 minutos por semana a respeito.

Ferramentas úteis para ajudar no controle: 

Trello: O Trello é um sistema de quadro virtual para gerenciamento de tarefas que segue o método “kanban”, muito usado no desenvolvimento com Scrum. Ele permite a criação de diversos quadros, nos quais podemos criar quantas colunas quisermos. O plano básico é gratuito. www.trello.com

MindMeister: Software líder de mapeamento mental on-line. Milhões de usuários realizam brainstorms e trabalham em mapas mentais de forma colaborativa. www.mindmeister.com

Zoom: Para reuniões on-line, em Equipe ou Pares. Gratuito e ilimitado para reuniões com 2 pessoas, para reuniões em grupo é gratuito até 40 minutos e depois disso tem que reiniciar a reunião. https://zoom.us

Youtube: Crie sua conta no Youtube e faça video aulas para ajudar e instruir sua equipe e/ou amigos e clientes. Você pode criar play lists dentro de sua conta e autorizar somente os grupos que quer compartilhar.

Blog: Existem várias ferramentas disponíveis grátis. É só pesquisar qual é mais adequada a você. Crie seu blog e abasteça-o com histórias ou artigos sobre sua trajetória, viagens ou conteúdo de seu conhecimento.

Facebook: Faça uma conta profissional e impulsione na aba de anúncios seus vídeos e seus artigos. Existem vários cursos no Youtube, ensinando como administrar e ter resultados com sua conta do Facebook.

TED: Não deixe de assistir às palestras do TED.com – Escolha os temas de sua preferência e reserve 20 minutos, uma vez por semana, para assistir ao tema que escolheu.

Livros imprescindíveis para ler: A arte da imperfeição e A coragem de ser imperfeito, ambos da escritora Brené Brow. Scrum, Jeff Sutherland e J.J. Sutherland. Scrum Guia Prático, J.J. Sutherland.

 

Agora é só se organizar e medir os resultados.

Lembre-se, apenas gerenciamos o que medimos. Mãos à obra!

Sem comentários
Postar um comentário