Qual a relação do autodesenvolvimento com resultados organizacionais

Você sabia que o autodesenvolvimento está diretamente relacionado com o seu desempenho profissional?

Isso mesmo! A partir do momento em que você se conhece melhor, passa a identificar e entender o que precisa fazer para conseguir ultrapassar barreiras e superar seus limites para se desenvolver profissionalmente.

Sua sabedoria pessoal te ajuda a evoluir em sua carreira e em qualquer outro aspecto da sua vida. Esse processo contínuo de autodesenvolvimento lhe permite ainda, se adaptar com facilidade à diversas mudanças que são comuns ao longo da vida.

Ficou interessado e deseja saber mais sobre o assunto? Então continue sua leitura e entenda de que forma o autodesenvolvimento pode contribuir positivamente para seus resultados organizacionais. Confira!

Autodesenvolvimento e resultados organizacionais – Entenda a importância dessa relação

Um profissional que deseja garantir bons resultados em sua carreira, precisa desenvolver habilidades para solucionar os desafios comuns no seu ambiente de trabalho. Para isso, é crucial que ele tenha a capacidade de se autodesenvolver.

Isso porque, aqueles que detêm essa capacidade, conseguem naturalmente sair da sua zona de conforto e buscar por fatos novos que lhe ajudam a crescer e atingir um desempenho cada vez melhor em sua carreira.

Além disso, pessoas com capacidade de autodesenvolvimento também possuem a habilidade de avaliar de forma precisa as exigências de sua profissão, assim como as do mercado de trabalho. 

E é justamente devido a características específicas como esta, que suas chances de alcançar bons resultados organizacionais e ser bem-sucedido na carreira são maiores. Quem se autodesenvolve, também desfruta de outros ganhos em sua vida, como aumento de motivação, maior satisfação consigo mesmo, autocontrole sobre as emoções, mais empatia entre outras coisas.

Como conquistar o autodesenvolvimento

Basicamente, existem algumas formas que você pode adotar para conquistar o autodesenvolvimento e alcançar um melhor desempenho no seu ambiente de trabalho. E a primeira delas é:

·      Não se acomode 

Se você deseja se autodesenvolver para garantir resultados melhores no trabalho ou mesmo em sua vida pessoal, uma das primeiras recomendações é procurar desafios.

Afinal de contas, não tem como a mudança que você deseja acontecer, se continuar fazendo as mesmas coisas e permanecer em sua zona de conforto. Para obter resultados diferentes, você precisa adotar atitudes diferentes.

Sendo assim, procure quebrar padrões e vá em busca de novos desafios para sua carreira ou estilo de vida. Dessa forma, você estará contribuindo para o seu progresso, não só enquanto pessoa, mas também em sua carreira profissional.

·      Faça uma análise sincera sobre si mesmo

O mundo está em constante mudança. E com o ser humano acontece a mesma coisa. Por isso, se você quer atingir o autodesenvolvimento, precisa sair do ponto A e ir para o ponto B.

Mas, antes disso, procure fazer uma análise sincera sobre como está sua vida e o que você almeja para o seu futuro. Além disso, essa autoanálise vai permitir que você veja com mais clareza quais são as suas qualidades. E o que você precisa melhorar para a mudança acontecer na sua vida e carreira.

·      Coloque seus planos em prática

Não fique apenas no mundo das ideias e do planejamento. Procure colocar em prática todas as metas que você traçou e tire seus objetivos do papel.

Você precisa fazer com que eles aconteçam e sejam uma realidade em sua vida. Inclusive, é nesse ponto que muitos preferem procrastinar e acabam falhando no seu autodesenvolvimento.

Não faça parte desse grupo. Se por ventura sentir dificuldade em direcionar seus planos para um autodesenvolvimento ou até mesmo de definir os passos que precisa dar para que isso aconteça conforme deseja, busque ajuda especializada, como o coaching, por exemplo.

Entenda que, independentemente de suas decisões, o tempo continua a correr. Então, busque as mudanças necessárias para garantir a evolução da sua carreira e vida pessoal!

3 maneiras para ter mais foco e atenção em 2021

Com a Pandemia, muitas pessoas acabaram ficando sobrecarregadas mentalmente, seja por conta do estresse gerado pelo isolamento social, ou mesmo devido aos problemas e mudanças sofridas na rotina do dia a dia. Diante deste cenário, a dúvida que muitos apresentam é sobre como ter mais foco e atenção nos aspectos mais importantes de nossa vida no ano de 2021.

Se você tem dificuldade para se concentrar em pleno a este momento de incerteza ou então em qualquer outra circunstância, saiba que é possível encontrar espaços em sua rotina que levam a sua mente a um maior período de concentração, reduzindo gradualmente as distrações.

Quer saber como fazer isso? Então continue sua leitura e confira as 3 principais maneiras para ter mais foco e atenção neste ano que se inicia.

1. Priorize os trabalhos que exigem mais atenção

Geralmente nossa capacidade de focar em algo tende a mudar ao longo do dia. Ou seja, existem períodos do dia em que nossa concentração está maior. Por outro lado, existem momentos em que qualquer coisa, por mais simples que seja, já é motivo para distração.

Então, mesmo estando com muitas atividades por fazer, uma excelente dica para ter mais foco em 2021 é buscar executar primeiro as atividades que exigem uma atenção maior de você. Selecione o período do dia em que o seu nível de concentração é maior e faça neste momento as atividades que requerem mais foco da sua parte.

2. Treine seu cérebro e evite distrações

Pesquisas mostram que a forma mais eficiente de ter mais foco e atenção é, após concentrar-se por um determinado período fazendo algo, você deve efetuar uma pausa e somente depois disso voltar a se concentrar no que estava fazendo.

Por exemplo, se você precisa criar um relatório de trabalho dentro de uma hora, ao invés de passar todo esse tempo tentando focar nessa atividade e muitas não ter sucesso, você divide seu tempo em 4 blocos de 10 minutos cada para produzir o relatório. E entre um bloco e outro faz um intervalo de 5 minutos.

Dessa forma, fazendo essa gestão de tempo, você treina seu cérebro para combater distrações. E dá o descanso necessário para que ele consiga ter insights mais intensos e focar no que é de fato importante.

3. Estimule a química do seu cérebro e aprenda como ter mais foco e atenção

Em nosso cérebro existem neurotransmissores capazes de interferir em diferentes aspectos da nossa vida. E no que diz respeito ao foco e atenção não é diferente.

A dopamina e norepinefrina são neurotransmissores que estão diretamente associados ao nosso estado de alerta e concentração. E uma das formas de estimula-los é buscar por inovações no seu dia a dia. Como fazer isso?

Você pode, por exemplo, adotar abordagens de trabalhos diferentes. Ou se preferir pode ainda criar espaços de trabalhos distintos para os diferentes tipos de atividades que você desenvolve.

Em outras palavras, o ideal para saber como ter mais foco e atenção em 2021 é experimentar novas maneiras de fazer as mesmas atividades que você executa no seu cotidiano.

Lembre-se que manter o foco em algo não se trata apenas de conseguir ou não realizar algo. Mas outros fatores também influenciam para o seu bom desempenho, como seu estado de espirito, o ambiente e tudo mais que está acontecendo a sua volta.

Portanto, adote estas 3 maneiras no seu dia a dia e maximize o seu foco e atenção, garantindo uma melhor performance. Tanto no âmbito pessoal quanto profissional!

Gostou do post? Então aproveite para conferir também o artigo sobre como criar um melhor normal para sua organização!

Como tornar o aprendizado virtual melhor.

Quando nos deparamos com a era “pandemia” e consequentemente em isolamento, tivemos um boom de aprendizagens on-line.

Infelizmente a maioria dos programas de aprendizagem se tornaram piores, não melhores. E esta é uma terrível oportunidade perdida.

Pesquisas comprovam que, o aprendizado virtual, quando feito da maneira certa, pode ser muito mais eficaz do que workshops presenciais. Um programa virtual inteligente tem cerca de seis vezes mais probabilidade de fazer com que as pessoas executem ações do que a forma usual de aprendizagem presencial. Não 6% melhor ou 60% melhor, mas 600% melhor.

Agora pode ser a hora de aproveitar o momento e fazer a mudança para um aprendizado virtual eficaz.

A Ciência da aprendizagem

No contexto organizacional, o objetivo da aprendizagem é mudar o comportamento. Para que a mudança ocorra, um novo aprendizado deve ser lembrado. Agora, muito do aprendizado em que as organizações investem envolve habilidades humanas. Coisas como administrar bem as reuniões, dar feedback, como lidar com conversas difíceis.

As pessoas estão sob pressão e, se quiserem seguir algo diferente de sua maneira automática de interagir, precisarão relembrar o que aprenderam com muita rapidez e facilidade.

Digamos que você ensine um gerente a administrar reuniões de forma mais inclusiva. Se esse gerente for capaz de se lembrar do que aprendeu apenas se parar para pensar profundamente e consultar suas anotações da aula, o programa falhou. Para que o aprendizado seja eficaz, o aluno deve ser capaz de se lembrar facilmente, mesmo quando estiver cansado, atrasado no prazo ou ansioso para errar as coisas e parecer um tolo na frente de sua equipe.

Uma pesquisa feita pelo Instituto Neuro Leadership mostra que a lembrança fácil sob pressão só é possível quando quatro condições são atendidas durante uma tarefa de codificação: Atenção, Geração, Emoção e Espaçamento – uma estrutura definida no NeuroLeadership Modelo AGES do Instituto.

A pesquisa descobriu que a chave para o aprendizado eficaz é ativar o hipocampo, uma região do cérebro que ajuda a consolidar novas informações na memória. Para que a ativação hipocampal ideal ocorra, todos os quatro componentes do AGES devem ser otimizados, e não apenas em níveis baixos a moderados, mas em níveis muito altos. Se alguma dessas condições não for alta durante uma tarefa de codificação, a probabilidade de fácil recuperação sob pressão cai significativamente.

A pesquisa descobriu que a chave para o aprendizado eficaz é ativar o hipocampo, uma região do cérebro que ajuda a consolidar novas informações na memória. Para que a ativação hipocampal ideal ocorra, todos os quatro componentes do AGES devem ser otimizados, e não apenas em níveis baixos a moderados, mas em níveis muito altos. Se alguma dessas condições não for alta durante uma tarefa de codificação, a probabilidade de fácil recuperação sob pressão cai significativamente.

Entenda as quatro condições de codificação

Atenção: para que a aprendizagem ocorra, os participantes devem prestar muita atenção ao que estão aprendendo. Alta atenção significa focar muito de perto em uma coisa, sem outras distrações.

Geração: uma vez que formamos memórias fazendo associações, a aprendizagem funciona melhor quando os participantes geram suas próprias conexões com o material, ligando novas ideias ao seu próprio conhecimento existente.

Emoção: para que as memórias permaneçam bem, é necessário que haja fortes emoções durante a codificação, o que ativa o hipocampo.

Espaçamento: o aprendizado é mais eficaz quando as sessões de aprendizado são espaçadas ao longo do tempo, especialmente quando o intervalo entre as sessões inclui uma ou mais noites de sono.

Quando implementado corretamente, o aprendizado virtual é capaz de ativar altos níveis de atenção, geração, emoção e espaçamento. Níveis ainda mais altos do que você pode em um único workshop de meio dia ou um dia de duração.

Infelizmente, não é isso que estamos vendo nas organizações. Em vez disso, muitas organizações pegaram práticas imperfeitas de programas presenciais e simplesmente as migraram online, tornando-as ainda piores em termos de atenção, geração e emoção – muitas vezes a um custo alto.

Aqui estão os erros mais comuns e o que fazer:

Erro # 1: executar sessões de aprendizado online de 2 a 4 horas de duração. Qualquer um que já teve que assistir a uma longa aula na universidade sabe que o cérebro perde o foco rapidamente. Quando as sessões de aprendizado são longas, o aprendizado é baixo, uma vez que os participantes são incapazes de prestar atenção por horas a fio no nível necessário para que ocorra uma forte codificação de memória.

A solução: para que o aprendizado virtual seja eficaz, as sessões devem durar 50 ou 55 minutos. Mas isso não significa que o aprendizado em si seja superficial. Quando o aprendizado é bem planejado, os alunos podem obter percepções intensas em curtos períodos de tempo.

Erro nº 2: agrupar o aprendizado em uma única sessão ou semana. A maioria dos programas de aprendizado tenta colocar o máximo de aprendizado possível em um curto período. Na época em que a maior parte do aprendizado acontecia pessoalmente, essa abordagem fazia mais sentido, dados os custos de reservar espaço físico e o tempo necessário para os facilitadores e participantes se deslocarem até o local. Mas o aprendizado virtual facilita o espaçamento das sessões ao longo do tempo sem incorrer em custos extras. Uma vez que não há necessidade de deslocamento, é fácil interromper o aprendizado em várias sessões em dias diferentes.

A solução: as organizações devem tornar as sessões de aprendizado virtual mais curtas e permitir mais tempo entre elas, estendendo o aprendizado por três semanas ou mais. O resultado é um aprendizado poderoso, muito mais eficaz do que uma única sessão jamais poderia ser, devido ao efeito de espaçamento. Ele também permite que você torne o aprendizado mais social, um fator crítico para o sucesso, à medida que avançamos.

Erro nº 3: não tornar o aprendizado social. A maioria dos programas de aprendizagem se contenta em permitir que os participantes saiam pela porta e não pensem mais no material até que retornem para a próxima sessão, se houver uma próxima sessão. Esta é uma oportunidade desperdiçada de alavancar o poder do aprendizado social.

A solução: para maximizar a recordação, os programas de aprendizagem devem envolver as redes sociais dos participantes todas as semanas, incentivando-os a compartilhar o que aprenderam com colegas de equipe, amigos e familiares. Ao conectar o material de aprendizagem às interações sociais, os participantes ligam novas ideias à rede de memória social do cérebro, resultando em uma melhor recordação mais tarde.

E o efeito de pensar que outras pessoas podem estar observando você cria uma pressão social positiva. Quando a aprendizagem é social, os alunos codificam com mais riqueza, recordam com mais facilidade e agem com mais frequência.

Erro # 4: Projetando para Net Promoter Score em vez de mudança de comportamento. A maioria dos programas de aprendizagem são projetados para serem divertidos e populares. Porém, como o aprendizado eficaz exige esforço, esses programas costumam ser ineficazes. Na verdade, aprender que realmente dura tende a fazer com que as pessoas se sintam levemente desconfortáveis, já que isso significa que os participantes provavelmente experimentaram emoções fortes.

A solução: em vez de tentar criar conteúdo que as pessoas gostem, concentre-se em ativar hábitos. Isso significa não apenas ensinar habilidades, mas também avaliar a eficácia de um programa medindo a mudança.

Aproveite o momento

Este é um momento único. Mesmo quando a pandemia de coronavírus inflige uma enorme dor e sofrimento em nossa sociedade, também está liberando uma nova energia e motivação nas organizações. Com tantos processos em fluxo, os funcionários estão mais dispostos do que nunca a fazer as coisas de maneira diferente.

Mas o ímpeto desta crise não durará para sempre. Os líderes devem aproveitar a oportunidade para redefinir sua abordagem de aprendizagem virtual antes que a energia se dissipe. Como devemos repensar o aprendizado e construir um normal melhor? Como muitas coisas hoje, pode valer a pena seguir a ciência.

Parte deste post está originalmente em inglês no Your Brain at Work, o blog oficial do NeuroLeadership Institute.

Traduzido e adaptado por Asas_DH