asasdh

O advogado e as passas

iStock_000024148802_Large

 

Como litigante, o advogado alimentou sua carreira ao mobilizar uma raiva efervescente pelas injustiças sofridas por seus clientes. Energizado pela indignação, era incansável na defesa de seus casos. Fazia suas argumentações com envolvimento absoluto, passava noites em claro, pesquisava e se preparava. Com frequência, ficava deitado na cama, acordado, a maior parte da noite, espumando, enquanto revisava várias vezes as aflições dos clientes e planejava sua estratégia jurídica.

Então, durante suas férias, conheceu uma mulher que dava aulas de meditação e pediu a ela que o ensinasse. Para sua surpresa, ela começou dando a ele algumas uvas-passas. Ela então o guiou a comer uma das passas lentamente, com foco total, saboreando a riqueza de cada momento daquele processo: as sensações de quando ele a levou até a boca e mastigou – a explosão de sabores ao mordê-la, os sons do ato de comer. Ele submergiu na completude de seus sentidos.

Assim, da maneira que ela o instruiu, ele voltou aquele mesmo foco totalmente centrado no momento para o fluxo natural de sua respiração, liberando todo e qualquer pensamento que passasse por sua mente. Com a orientação dela, ele continuou essa meditação sobre sua respiração ao longo dos 15 minutos seguintes.

Conforme foi fazendo isso, as vozes em sua mente foram silenciando. “Foi como acionar um interruptor para um estado zen”, ele disse. Gostou tanto daquilo, que transformou em um hábito diário: “Depois que termino, me sinto calmo e gosto muito disso”.

Quando voltamos essa atenção completa para os nossos sentidos, o cérebro silencia sua conversa padrão. Exames celebrais realizados durante a atenção plena – a forma de meditação que o advogado estava experimentando – revelaram que ela acalma os circuitos cerebrais para conversas mentais com foco no eu.

* Texto extraído do Livro FOCO de Daniel Goleman

 

Em coaching, uma das habilidades que trabalho com meus clientes é exatamente isso. A “variável” da ação que se pretende.

Por exemplo, se o cliente quer melhorar sua comunicação, eu questiono o modo como ele pretende melhorar sua comunicação, e uma das respostas que ouço é: ouvindo mais! Então, eu segmento as perguntas até o cliente me dizer “como” realmente ele vai ouvir mais. Como coach eu preciso de uma resposta observável. Uma das melhores respostas que ouvi até hoje foi: “Olhando diretamente nos olhos da pessoa que eu estou ouvindo”. Um dos meus clientes foi mais longe, respondendo: “olhando no branco dos olhos da pessoa que estou ouvindo”.

Podemos observar nossa respiração, postura, visão, tensão, o sabor do alimento, da passa, apenas observar e entrar em estado de meditação e atenção no atual momento , tirando o foco e a tensão do objetivo e saborear a melhor parte: o aqui agora.

Escolha uma variável para observar, apenas observar, em situações que queira melhorar.

Qual será sua variável de hoje?

 

Cristina Gomes

Comentários: 2
  • Flavio Nunes
    3 de outubro de 2014 16:21

    Cara Cristina, Boa Tarde!

    A nossa capacidade de sair de um estado de stress, de agitação, de falta de concentração, de perturbação, seja bom ou ruim é fantástica.
    Uma leitura agradável, uma pássaro, uma flor, um verde ou uma imagem de algo que lhe faz bem, mesmo que não esteja presente mas que você consegue enxergar com os olhos fechados.
    Faço isso há mais de 25 anos para relaxar, para repensar, para mudar o foco e muito para dormir. O relaxamento é importantíssimo.
    Gostei muito de tua publicação.
    Sucesso para você
    Flavio

Postar um comentário